Ilustrações de Abril

Ilustrações de Abril elaboradas entre os anos de 2012 e 2015, em exposição na Leituria em Abril de 2016.

 

Aqui chegámos Portugal
Aqui nos tens aos teus pés
Os que ficam por amor
Os que partem sem saída
Os que ficam com a dor
E a lágrima contida
Aqui nos tens Portugal
Aqui nos tens aos teus pés
Estes que, outrora bravos
CRAVOS da tua Nação
S(er)ão os (ES)CRAVOS
Da nova Revolução

ABRIL 2015 © Rita Correia




"Portugal, 7 de Abril de 1974

Dois jovens de vinte e poucos anos casavam-se.
O sonho de uma vida a dois começava a medo, dentro de um país fechado para o bem e para o mal.
Partiam numa lua de mel, humilde e modesta dentro do seu país. No norte ainda chegam a ver Marcelo Caetano durante uma visita oficial, não imaginando que o destino daquele homem estaria a dias de mudar para sempre.

Nunca imaginaram, mas casaram no mês que iria "mudar" o seu país.
Casaram no mês em que o seu país abriria as janelas para deixar sair o pó e o cheiro a velho.
Casaram no mês em que a palavra "Liberdade" assumiria um novo sentido,
Casaram no mês em que o Amor pela justiça e pelos direitos gritaria mais alto.
Casaram no mês em que os lápis azuis não mais riscariam as cantigas.
Casaram no mês em que as cores de uma flor se misturariam com às cores de uma bandeira.
Casaram, faz hoje 40 anos!
Hoje...

Hoje, 40 anos depois do seu casamento e no mês em que o povo reclamou por direitos e liberdade, o sentimento é de um estranho alívio contido.
Alivio por terem vivido sempre abaixo do que ganhavam, e por viverem hoje devagarinho com os mesmos princípios e com o muito pouco, que tinham, têm e que vai chegando.
Contido... porque "ainda" têm os filhos e netos perto... e o "ainda" não os deixar descansar.
Contido, por verem os filhos e netos de outros partirem deste país que em 40 anos, trocou a palavra liberdade por facilidade, a palavra justiça por corrupção e as cores vivas da democracia por várias tonalidades de cinza.

No dia 7 de Abril de 74 casaram-se os meus pais.
Os mesmos que me ensinaram, que a vida poderá dar as voltas todas que quiser, mas que a honestidade, o sentido de justiça, a simplicidade, o amor... esses serão os alicerces para tudo... venha o que vier.
Eu nasci 3 anos depois desta "liberdade" num país em que os meus pais acreditaram estar a ser gerido como eles geriram a sua casa nos últimos 40 anos.
Enganaram-se.
Por mim, os gestores poderiam ter sido eles... os meus pais.
Parabéns aos dois pelo vosso Abril.
Que a saúde não vos falte, que eu, ainda tenho muito que aprender."
ABRIL 2014 © Rita Correia



Sem comentários: